Ícone do site soupods

Mais da metade dos brasileiros começaram a ouvir podcast durante a pandemia 

Compartilhe

Por Juliana Carreiro

 

Vou tentar adivinhar. Você ouve podcast, certo? Conhece muitas pessoas que também escutam, não é? Muitas delas, talvez até você mesmo, entraram em contato com este formato recentemente, de 2019 pra cá, e passaram a ouvir com mais frequência a partir do ano passado, não é verdade? A sensação de que este modelo de conteúdo tem ganhado espaço no Brasil a cada dia está comprovada por números de diferentes pesquisas. 

Segundo a Pesquisa Podcast, realizada pelo IBOPE para a CMI Globo, em outubro de 2020, 57% dos brasileiros começaram a ouvir podcast durante a pandemia. Em 2019, o Brasil já havia sido apontado como o país do podcast e o segundo no consumo do formato, atrás apenas dos Estados Unidos. De acordo com relatório da empresa de consultoria, Voxnest, no ano passado, lideramos o ranking de países com maior crescimento na produção de podcasts, à frente de Inglaterra e Canadá. Entre janeiro e maio houve um aumento de 103% no número de produções em português.

 

 Público variado

A audiência de podcasts no Spotify brasileiro cresce em média 21% por mês, desde janeiro de 2018, de acordo com a companhia. Ainda segundo o Ibope, 81% dos ouvintes consomem as produções pelo menos uma vez na semana. Entre os fatores que os motivam estão: muito interesse pelo assunto, citado por 66% dos entrevistados; linguagem informal e simples, apontado por 64% deles; credibilidade de quem produz, que é relevante para 46% e identificação com os criadores e apresentadores, importante para 38%.

Segundo a Pesquisa Podcast, 35% dos ouvintes estão nas classes sociais A e B; 51% pertencem à classe C e 14% à D. Entre as idades, esta divisão é mais equilibrada: 24% têm de 16 a 24 anos; 28%, de 25 a 34 anos; 22%, de 35 a 44 anos; 17% de 45 a 54 anos e 9%  têm 55 anos ou mais.  

Entre os formatos a maioria, 55%, ainda prefere as entrevistas; 39% escolhem as narrativas e histórias reais; 39% gostam das mesa-redondas, conversas ou debates; para 36% as reportagens aprofundadas chamam mais atenção; 35% optam por resumos do dia e da semana; 33% ficam com as narrativas ou histórias de ficção e 22% se identificam com os monólogos.

 

Acesso, praticidade e segmentação 

Entre as explicações para o aumento do consumo de podcast no Brasil, três fatores se destacam. O primeiro deles é o aumento do acesso da população à internet e aos smartphones. Em junho de 2021, havia 242 milhões deles em atividade no Brasil, segundo dados do FGVcia. E 91% dos usuários acessam a internet pelo aparelho, de acordo com o  IBGE.

Como está a sua rotina? Você tem tempo para realizar todas as tarefas que gostaria, cada uma no seu tempo ou precisa fazer mais de uma ao mesmo tempo? Esta possibilidade atraiu muitos ouvintes de podcast. A grande maioria deles afirma escutar os programas enquanto realiza outras funções, como tarefas domésticas; navegar na internet; trabalhar ou estudar; dirigir ou se locomover; praticar atividades físicas e realizar os cuidados pessoais.

A diversidade de conteúdo e o aumento no número de produções, com um caráter bastante segmentado, garantem que todos possam se identificar com alguma delas. Hoje, é possível encontrar podcasts sobre os mais variados assuntos, que vão desde um livro específico até mitologia grega passando por funk, cavalos, aviação e astrologia, só pra citar alguns exemplos.

Sair da versão mobile